A produção animal constitui o principal ramo da agropecuária catarinense, responsável por cerca de 60% do Valor Bruto da Produção (VBP) e 53% das exportações do agronegócio do Estado, de acordo com dados de 2017. Dentre os dez principais produtos que compõem o VBP de Santa Catarina, cinco são de origem animal: frangos, suínos, leite, bovinos e ovos de galinha.

Não obstante sua importância econômica, a produção animal também tem grande relevância social, com dezenas de milhares de produtores participantes das cadeias produtivas que compõem o setor, além de um grande contingente de trabalhadores que atuam nas agroindústrias de insumos e de processamento dos produtos.

O InfoAgro apresenta informações sobre a produção animal em Santa Catarina, como subsídio para a compreensão da dimensão dessas cadeias e sua importância para o Estado.

A princípio, serão disponibilizadas informações sobre as principais atividades desenvolvidas no Estado, tendo como parâmetro o VBP das mesmas, destacando-se a produção de carnes e leite. Posteriormente outras atividades serão incluídas.

Carnes

Em relação às carnes, são apresentados dados relativos ao número de suínos, frangos e bovinos produzidos anualmente no período de 2014 a 2017, levando-se em consideração tanto os animais criados e abatidos em Santa Catarina quanto aqueles criados no Estado e que tiveram como destino o abate em outras unidades da federação.

São contabilizados somente os animais abatidos em estabelecimentos credenciados pelos serviços de inspeção previstos na legislação (SIM, SIE e SIF).

Os números indicados incluem todas as categorias de suínos, galináceos e bovinos abatidos no período em questão, tanto aquelas cuja finalidade principal era a produção direta de carne (animais de corte), quanto outras categorias com finalidades intermediárias e que, ao término do seu ciclo produtivo, são destinadas ao abate (matrizes, reprodutores, poedeiras, GRSC, vacas leiteiras, etc.).

As informações são oriundas do Sistema de Gestão da Defesa Agropecuária Catarinense (Sigen+), administrado pela Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), sistematizadas pela Epagri/Cepa.

Leite
No caso do leite é apresentada a produção total, segundo diferentes regionalizações de Santa Catarina. Os dados são extraídos da “Produção Pecuária Municipal”, que é um levantamento anual que o IBGE faz sobre a produção animal dos municípios brasileiros. Esses dados são levantados junto organizações públicas e privadas que têm atividades relacionadas à produção pecuária. 

Animais aquáticos
No caso dos animais aquáticos (peixes, moluscos e camarões), os dados são levantados anualmente pelos extensionistas da Epagri que atuam nos 295 municípios de Santa Catarina. Os dados são obtidos por meio de consulta feita pelos técnicos da Epagri aos produtores. No caso dos produtores de peixes, são levantadas informações separadamente para amadores e profissionais. São considerados produtores amadores aqueles que utilizam a piscicultura para autoabastecimento, lazer e venda eventual. Já como profissionais, são considerados aqueles que produzem regularmente com fins comerciais, utilizando técnicas mais avançadas de produção e, normalmente, alcançando níveis maiores de produtividade. Após a coleta, os extensionistas encaminham os dados ao Centro de Desenvolvimento em Aquicultura e Pesca da Epagri (Epagri/Cedap) que avalia a consistência, organiza e disponibiliza os dados ao público. No caso dos dados referentes aos moluscos, é importante notar que a soma simples do número de produtores de mexilhões, ostras e vieiras não representa o número total de produtores de moluscos em geral, pois muitos dos produtores cultivam mais de uma espécie. O número total correto de produtores de moluscos é disponibilizado nos gráficos e tabelas do Infoagro.

Apicultura
Os dados aqui disponibilizados apresentam as estatísticas da produção do setor apícola catarinense. São informações referentes a produção de mel, número de colmeias e apicultores por município e microrregião do IBGE. Também em tela específica são apresentadas as quantidades produzidas de outros produtos apícolas, a saber, apitoxina, cera bruta, núcleos de abelhas, pólen, própolis e rainhas, porém para estes produtos somente uma parte dos produtores foram pesquisados (55%).

Os dados foram obtidos através de uma pesquisa realizada no ano de 2014 pela Federação das Associações de Apicultores e Meliponicultores de Santa Catarina, FAASC que contou com apoio financeiro da Fundação Banco do Brasil e BNDES, participação do Sebrae, da Epagri, do Senar e da UFSC.

A pesquisa foi realizada por meio de levantamento de campo, no intuito de identificar o número preciso de apicultores e os respectivos números da produção. O procedimento de coleta de dados contou, num primeiro momento, com a aplicação de 3.447 questionários diretamente com apicultores filiados a associações em todos os municípios produtores, registrando-se dados de produção de mel e outros produtos apícolas e infraestrutura produtiva. Num segundo momento fez-se um levantamento simplificado abarcando outros 2.843 apicultores não filiados, onde foram inventariados apenas o número de colmeias.

- Grupo A: 3.447 apicultores com informação de número de colmeias, produção de mel e outros produtos apícolas.
- Grupo B: 2.843 apicultores com informação apenas de número de colmeias.

Nota metodológica:

Para obtermos a produção total de mel dos dois grupos de apicultores pesquisados, foi necessário fazer uma estimativa do volume produzido pelo grupo B de apicultores. Para tanto, operações estatísticas foram aplicadas aos dois grupos (A e B), a fim de estimar a quantidade de mel produzida pelo grupo B. Mais especificamente, foram calculadas as médias de produtividade (quantidade de mel/número de colmeias) dos apicultores do Grupo A, considerando as microrregiões geográficas e o número de colmeias, resultando na seguinte estratificação para cada microrregião do estado:

Faixa 1 – Até 10 Colmeias;
Faixa 2 – Mais de 10 a 20 colmeias;
Faixa 3 – Mas de 20 a 50 colmeias;
Faixa 4 – Mais de 50 a 200 colmeias;
Faixa 5 – Mais de 200 Colmeias.

Desta forma, para cada apicultor do Grupo B, a produção foi obtida multiplicando-se o número de colmeias declarado pela média de produtividade obtida do Grupo A, observando-se a respectiva faixa de número de colmeias e microrregião.

Importante observar que a precisão destas estimativas pode não representar a realidade da produção em função da grande proporção de valores estimados em relação aos observados. Do conjunto de 6.290 apicultores, estimou-se a produção de 45% destes.